quinta-feira, 30 de junho de 2011

Uiiii! Não é preciso apedrejar...

Pelos vistos cometi uma gafe gravíssima no post anterior. "As tardes da Júlia", esse programa que marcou uma geração e que só não ficará muito tempo na memória dos telespectadores pelo escalão etário dos mesmos, pelos vistos já terminou no ano passado.
A Júlia Pinheiro rumou à SIC onde faz o programa dos gordos (esse eu já assisti) que acumula com o programa da manhã (chiça, que a mulher é trabalhadora).
Agora quem apresenta o programa da tarde na TVI é a Fátima Lopes, que foi para a TVI para pagar facturas mas, pelos vistos, não tinha jeito para passar cheques. A Leonor Poeiras, aquela míuda muito engraçada, toda despachada e que parece um pau de virar tripas (a da Tribo, estão a ver???) é que agora paga as contas, e fez ver à Fátima Lopes como é que elas são bem pagas.
O que eu consegui assimilar em dois minutos...
Obrigada titi

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Serviço Triple Play? Não, obrigada...

Da próxima vez que os gajos do MEO ou da ZON me tocarem à campainha eu juro que os recebo de caçadeira em punho.
Multiplicam-se como coelhos, todos os dias tenho uma cara nova a tocar-me na campainha com o mesmo discurso de sempre. 
E parece que têm um sexto sentido para aparecerem sempre na pior altura possível.
Já para não falar do modo como abordam o cliente, parece um interrogatório da PIDE: «Ainda não tem o serviço Triple Play? Como é que é possível não ter Internet em casa? Não quer ter Internet em casa? Porquê? Foi promessa ou é uma ave rara que vive isolada da civilização dividindo o seu tempo entre o programa do Goucha e as novelas da TVI e nos entretanto ainda consegue dar uma perninha nas tardes da Júlia e fazer uma chamadinha para os discos pedidos da rádio local onde aproveita para mandar beijinhos para toda a gente que já passou pela sua vida.»
Nas primeiras abordagens, pela agressividade do discurso, quase me senti forçada a justificar a minha vida, as minhas opções e o porquê de ainda conseguir respirar sem Internet em casa. Supostamente deveria estar num estado vegetativo.
Com o tempo aprendi que educadamente receber e ouvir quem está a tentar ganhar a vida da forma possível não se aplica ao sector das telecomunicações. E então passei a ignorar completamente aquilo que dizem e limito-me a dizer: «Os senhores estão de férias, não estou autorizada a abrir a porta» ou, quando estou com mais algum tempo, ouço o que têm a dizer e no final levanto o dedo e profetizo: «A Internet á uma obra do Demo, e os senhores são os mensageiros da sua palavra». Normalmente é o suficiente para darem a visita por terminada.



terça-feira, 28 de junho de 2011

Angélico Vieira 1982-2011

Da forma trágica que todos conhecemos chega ao fim a vida deste jovem cantor/ator que era idolatrado por uma legião de fãs, cobiçado por muitas mulheres, invejado por muitos homens, acarinhado por muitos amigos e sobretudo amado pelos familiares.
Aos familiares e amigos, em especial aos pais, as minhas sentidas condolências.  
Um triste desfecho para um jovem que tinha muito mais para dar.
R.I.P.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Mundo cão...

Este mundo é tramado!
E à medida que os anos vão passando vamos arranjando sempre mais lenha para nos queimarmos...
Baixamos a guarda, andamos sem rede e sem plano B. 
Vivemos...
E  se a vida nos prega uma rasteira, dependendo do tamanho da queda, torna-se cada vez mais difícil reerguermo-nos com dignidade.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Bom S. João!

Ó meu rico S. João
Não nos deixes ficar mal.
Já temos árvore viçosa,
Queremos pêras p'lo Natal.

Só faz falta quem cá está!
Não é noite de tristeza.
Venha a sardinha no pão
e muito vinho na mesa.

terça-feira, 21 de junho de 2011

A vespa do Dr. Pedro Mota Soares

Para além destas últimas aparições pós eleitorais, já alguém se tinha apercebido deste paixão assolapada pelos veículos de duas rodas do ilustre deputado (agora ministro da Segurança Social), Dr. Pedro Mota Soares?
Será que não consegue desligar-se da sua fiel companheira por breves instantes, nem mesmo para tomar posse como ministro, caindo no rídiculo de ter de entregar a viatura a outra pessoa para abandonar o Palácio da Ajuda numa viatura oficial, não quebrando assim o protocolo.
Parece-me que está a querer demasiado protagonismo, não pelos melhores motivos.

Fobias da minha vida

Tentei, juro que tentei mas não consegui superar a fobia que tenho de andar de barco.
Tudo é balanço, tudo é agitação, tudo é água e a pedido de inúmeras famílias lá teve o barco que atracar novamente no cais para sua excelência saltar fora.
É que já ninguém aguentava tanto histerismo!E os meus agudos dão dez a zero aos do Nuno Guerreiro.


Eh touro lindo!!!!!

E o que me dizem daqueles profissionais que preferem meter a cabeça na areia e esperar que os problemas sejam resolvidos  por obra e graça do Espírito Santo ao invés de agarrarem o touro pelos cornos e, bem ou mal, tentarem alcançar uma solução.
Eu não gosto nada de touradas mas nesta arena profissional em que vivo diariamente sentia-me muito mais motivada se soubesse que trabalhava com um grupo de forcados onde todos têm a coragem de agarrar o touro de frente e não se põem a assobiar para o lado, à espera que alguém tome a iniciativa de dar um passo em frente.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Alguém me passa um pouco de energia?

Quem me dera ter coragem para levantar o cu da cadeira, entregar a carta de despedimento e dedicar-me a fazer bolos.
Esqueçam.
Depressão pós-férias... Ou será pós férias? Este acordo ortográfico está a deixar-me atordoada.

Ao menino e ao borracho põe Deus a mão por baixo

E foi o que aconteceu a um menino de três anos, em Pequim, na China, que caiu da varanda de um oitavo andar e ficou preso no ar condicionado localizado no exterior do prédio ao nível do sétimo andar, tendo sido de seguida salvo pelos vizinhos.
Abençoado ar condicionado!

terça-feira, 7 de junho de 2011

Em processamento. Aguarde...

Não sou participante activa nesta coisa da política.
Tenho um partido de eleição mas não me coíbo de votar em qualquer outro se acreditar mais nas pessoas e nas ideias que defendem.
A minha vida flui normalmente independentemente do governo,  líderes partidários ou aproximação de actos eleitorais.
Profissionalmente não tenho de moldar a minha conduta ou retrair qualquer opinião sobre um qualquer interveniente político para reconhecimento (ou não) do meu trabalho.
É certo que não tenho nenhum "tacho" que sustente todos os meus caprichos e desejos mas sinto-me feliz por livremente conduzir a minha vida e dar aos meus filhos a possibilidade de escolha dos seus ideais políticos.
Mas confesso que neste último mês senti-me ansiosa e, diria mesmo, angustiada, com o futuro político do país.
O dia de todas as decisões já passou e esta angústia não desaparece. Porque será?
Penso que já atingi um nível de descrédito tal nos políticos e no sistema que agora tem de ser como São Tomé: ver para crer.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

That's it! Enough is enough

Há largos meses que as minha paciência está a ser testada, mas hoje o copo transbordou.
Eu sei que tenho um feitiozinho de cão. Eu sei que qualquer pequena contrariedade é suficiente para me fazer saltar a tampa.
Mas desta vez não é só mau-feitio, desta vez quero crer que tenho bons motivos para ter transmitido ao responsável do restaurante o motivo pelo qual nunca mais punha os pés no seu digníssimo estabelecimento comercial.
Depois de dirigir um cordial pedido para passar um pouco mais um bife que estava totalmente em sangue obtive a seguinte resposta de um jovem empregado de mesa:
«A senhora não percebe nada de bifes. Um bife para ser bom tem de ser mal passado.»
Concordei mas achava que o bife estava excessivamente mal passado pelo que agradecia que levasse para passar melhor e não esperei pelas resposta:
« A senhora não me quer ensinar como se faz um bife, pois não? Hoje já servimos para cima de vinte bifes e ninguém reclamou por estarem mal passados.»
Saí do restaurante a lançar faíscas mas, vendo o lado positivo da questão, esta situação acabou por ser um bom incentivo para começar a trazer a marmita de casa e começar a fazer uma alimentação mais saudável .

Temos de gramar com cada Joker

Com a cara de enfado que lhe é característica, lá se arrastou até ao seu gabinete, inexplicavelmente a horas.
Caiu da cama, com certeza!
Conseguiu articular aquilo que supostamente serias uma piada e alapou-se na cadeira a resolver "assuntos".
É incrivel como, ao fim de tanto tempo naquele gabinete ainda não percebeu que o vidro da porta reflete o monitor e que, apesar de não conseguirmos perceber nitidamente o que por lá se passa, circulam permanentemente cartas naquele desktop. E não são cartas de amor...
Ser chefe é uma responsabilidade muito grande!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Caro leitor (ou leitora) que de modo tão inapropriado tentou profanar, sem qualquer tipo de decoro, a minha sensibilidade e recato.

Eu, enquanto mãe de dois e tendo deixado a puberdade à mais anos do que a idade do caro leitor (pelo menos a idade mental), agradeço que se retrate e muito considero se tiver a hombridade de me dirigir um pedido de desculpas pela mesma via que usou para tão descaradamente me dirigir piropos que fariam corar um qualquer jogador da selecção nacional de futebol.
Agradecida.